TRT da 4ª Região entendeu que um representante comercial farmacêutico faz jus sim ao recebimento de horas extras efetivamente laboradas

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Recentemente, o TRT da 4ª Região entendeu que um representante comercial farmacêutico, a principio excluído do regime de controle de duração de jornada de trabalho por exercer atividades externas, faz jus sim ao recebimento de horas extras efetivamente laboradas, já que a empregadora, na prática, mantinha fiscalização dos horários cumpridos. 

Esclarece-se que, o inciso I, do art. 62, da CLT exclui do controle de jornada apenas os empregados que exercem atividades externas incompatíveis com a fixação de horário de trabalho. 

E o que é esta incompatibilidade? Quando não é factível controlar os efetivos horários de entrada e saída, inclusive para intervalo intrajornada. Este controle não pode ser exercido através de acompanhamento da rotina laboral pelas lideranças, seja presencial ou remotamente (GPS, e-mails após o término do expediente, etc) ou através de controle de agendas de visitas, registros, relatórios de visitas e deslocamento, dentre outros. 

Não basta, portanto, que o empregado apenas exerça cargo cujas atividades sejam externas, para a exclusão do regime de controle de jornada, se faz necessária a prova cabal de que o empregado efetivamente gozava de liberdade quanto aos horários de trabalho, bem como de ausência de monitoramento, fiscalização por parte da empresa.

Veja matéria do Migalhas sobre o assunto:

https://migalhas.uol.com.br/quentes/339250/representante-ganhara-horas-extras-por-ter-jornada-externa-monitorada?s=LI

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais