Consentimento do titular de dado, basta para a conformidade com a LGPD?

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Ouvimos bastante a expressão: “é só pegar o consentimento do titular dos dados pessoais que está tudo certo!”

Na prática, é isso mesmo??

O consentimento do titular nada mais é do que a autorização expressa do titular concedida ao controlador para o respectivo tratamento dos dados pessoais. Entretanto, é de extrema importância que este seja fornecido por escrito, bem como relacionado com a finalidade do respectivo uso.

Assim, o conteúdo da declaração deve conter a exata destinação do tratamento dos dados coletados, se haverá compartilhamento com terceiros e para quê, bem como o período exato ou ao menos aproximado em que ele valerá.

É sempre bom lembrar que, o referido titular poderá retirá-lo a qualquer momento, oportunidade em que o controlador deverá imediatamente parar com o tratamento dos dados.

Diante disto, recomenda-se que o consentimento do titular somente seja utilizado para legitimar o tratamento dos dados em última hipótese, ou seja, se este não se justificar em nenhuma outra base legal existente. Exemplificando, se a empresa necessita de determinados dados pessoais para possibilitar a execução de contrato de trabalho ou contrato de financiamento, não há motivo para se utilizar do consentimento do titular.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais