Do cumprimento de obrigação legal como justificativa ao tratamento de dados pessoais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Dando continuidade aos posts sobre as principais bases legais dos nossos players de mercado, hoje, falaremos sobre o cumprimento de obrigação legal ou regulatória pelo controlador:

Esta hipótese é a que se refere ao cumprimento de regra prevista na legislação. Quando se tem a legitimidade do tratamento de dados pessoais por esta base, também não há necessidade de se obter o consentimento do titular, se fazendo necessário observar o princípio da finalidade.

Com fundamento nesta base legal, um empregador ou um controlador que mantenha relações comerciais com pessoas físicas poderá, por exemplo, reter dados em sua guarda por determinado período, respeitando os preceitos legais, mesmo após a rescisão contratual com os respectivos titulares.

A título de exemplo:

Contrato de Trabalho; Livro/Ficha de Registro de Empregados; Livros de Inspeção do Trabalho, Livros de Atas da CIPAS; RAIS – por prazo indeterminado;

Contratos de seguros pessoais, previdenciários privados e títulos de capitalização – média de 20 anos;

Notas fiscais pelo prazo de 5 anos.

Além dos documentos supracitados, outros também possuem periodicidade de guarda prevista em lei, justificando-se assim a manutenção em arquivo de certos dados com base em obrigação legal.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais