Das tranchs que obrigam o registro das CPRs nas entidades autorizadas pelo Bacen

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Após a Nova Lei do Agro determinar, o BACEN emitiu a Resolução CMN nº 4.870, de 27/11/2020, com o objetivo de regulamentar a obrigatoriedade de registro e depósito das CPRS em sistema de registro ou depósito centralizado e reconhecido por ele.

Assim, foi criado um cronograma de DISPENSA DE REGISTRO E DEPÓSITO, respeitando valor e data de emissão das CPRs, nos seguintes termos:

Ø Até 1.000.000,00, emissão entre 01.01.2021 a 30.06.2021

Ø Até 250.000,00, emissão entre 01.07.2021 a 30.06.202022;

Ø Até 50.000,00, emissão entre 01.07.2022 a 31.12.2023.

Para o cálculo do valor referencial, deverá ser observada a multiplicação do preço estimado do produto, no dia útil disponível anterior à emissão, pela quantidade do produto negociado. O referido preço deverá ser acessado em base, preferencialmente, diária e através de instituição com credibilidade no mercado.

Independentemente do valor envolvido, já a partir de janeiro de 2021 todas as CPRs deverão conter valor referencial, preço e praça utilizados para a respectiva apuração, e menção ao sistema de negociação de produto usado para tal.

Lembrando que a intenção do Governo é ter uma contabilização efetiva dos montantes negociados no financiamento não bancário, a fim de equalizar as políticas de crédito agrícola.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais