Da renegociação dos contratos futuros

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Recentemente foi noticiado pela Abiove que as tradings estão sendo notificadas para renegociação dos contratos, sob argumento de instabilidade climática que alterou boa parte do cronograma de plantio.

Alegam os produtores, que os reflexos da seca poderão dificultar as entregas mais precoces da soja, previstas para janeiro, em áreas do MT, por exemplo.

Contudo, reportagem dessa semana do Valor Econômico dá conta que o plantio de soja está 10% mais adiantado, comparando-se ao mesmo período do ano passado, inclusive no MT, com as recentes pancadas de chuva.

Por outro lado, vemos um grande descolamento do preço da saca de soja que no início do ano girava em torno de R$ 90,00 e hoje bate R$ 150,00!!

Denota-se que o real motivo para buscar a revisão dos contratos é o preço.

Para revisão contratual é necessária a comprovação de fato extraordinário que prejudique o cumprimento da obrigação: ocorrência de caso fortuito ou força maior ou onerosidade excessiva superveniente.

Isso se aplica aos contratos de compra e venda antecipada de grãos? Como o tema é denso, trataremos na sequência de nossas próximas Pílulas.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais