Liminar condena Serasa por comercialização indiscriminada de dados pessoais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Deferida liminar para suspensão da comercialização de dados pessoais por meio dos produtos “Lista Online” e “Prospecção de Clientes” oferecidos pelo SERASA.

Na prática o SERASA está vendendo dados como: nome, endereço, CPF, 3 números de telefone, localização, perfil financeiro, poder aquisitivo e classe social, para qualquer empresa interessada e sem a autorização dos titulares dos dados.

Em primeira instância, foi negada a liminar sob argumento de que embora se qualifiquem como informações pertinentes à privacidade e intimidade de uma pessoa, tratam-se de dados que habitualmente são fornecidos nas relações negociais e empresariais, de modo que não caracterizam elementos sigilosos.

Contudo, em segunda instância foi concedida a liminar, na medida em que ainda que sejam informações fornecidas nas tratativas comerciais a lei é expressa ao exigir a autorização específica para o compartilhamento dos dados pessoais, nos termos do art. 7º § 5º da LGPD.

Entendemos acertada a decisão de suspensão da comercialização dos dados pessoais, visto que totalmente ilegal.

Espera-se grande judicialização sobre a temática da proteção de dados, vamos acompanhar.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais