Da obrigatoriedade da Reserva Legal em imóvel rural ainda que em perímetro urbano

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em julgamento de recurso especial ajuizado pelo Ministério Público de Minas Gerais, a 1ª Turma do STJ posicionou-se no sentido de que imóvel rural, ainda que situado em perímetro urbano, deve respeitar a preservação da Reserva Legal.

O atual Código Florestal, de 2012, traz expressamente em seu art. 19, a determinação de que “a inserção do imóvel rural em perímetro urbano definido mediante lei municipal não desobriga o proprietário ou posseiro na manutenção da área de Reserva Legal, que só será extinta concomitantemente ao registro do parcelamento do solo para fins urbanos (…)”.

A ação civil pública em questão foi ajuizada pelo MP/MG em 2007 – quando o imóvel se localizava na zona rural – diante da inexistência de reserva legal. A expansão do perímetro urbano que atingiu o imóvel em questão se deu em 2011. Ocorre que o Código Florestal vigente até então, de 1965, nada dispunha sobre o tema.

Entende a decisão que, ainda que se aplique a legislação competente ao tempo do ajuizamento da ação (ou seja, aquele de 1965), mantem-se a “obrigação de manutenção da reserva legal na propriedade, por coerência com o sistema legal de proteção ambiental” até que se dê o parcelamento do solo para fins urbanos, conforme legislação ambiental vigente.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES