Das necessidades para incremento do crédito no agronegócio

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O que se vê na economia brasileira é que o agronegócio sempre desempenhou um papel essencial na estrutura econômica pátria, sendo um dos principais pilares do nosso PIB.

O crédito sempre fez parte das políticas públicas fomentadoras do financiamento rural que auxiliam, especialmente, os produtores rurais de pequeno e médio porte, vez que custeia a produção, financia o investimento em bens de capitais, auxilia no processo de comercialização dos produtos agrícolas, e até mesmo na prática de sustentabilidade ambiental.

Antes muito restrito, verifica-se que o governo retira cada vez mais os recursos por ele liberados, na tentativa de estimular ainda mais o ingresso de empresas privadas no mercado de crédito do agronegócio.

Entretanto, o que se observa no Brasil, infelizmente, é a ausência de mecanismos consolidados de seguro agrícola e do próprio crédito, atrelada às inseguranças jurídicas que rodeiam o assunto, especialmente quando se discute a inadimplência dos produtores rurais, como demonstrou a recente decisão que permitiu a recuperação judicial de produtor rural sem registro na junta comercial.

É latente a necessidade de ativismo dos players do setor com a exigência da criação de um sistema que dê maior segurança jurídica às partes envolvidas.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais