Decisão judicial mantém plano de recuperação e considera abusivo voto de credor

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

TJ-SP reconhece abuso em voto de credor em assembleia geral, mantendo decisão que considerou abusivo o voto do credor que, optou na rejeição do plano de recuperação judicial da empresa United Mills.

No entanto, o credor alegou que seu voto não foi abusivo, mas fundamentado na impossibilidade de recuperação da devedora.

Destacando que, foi proposto pela devedora a venda de sua marca, através de leilão, para pagar os credores, e não sendo possível, seria dado sequência no pagamento dos credores com seu faturamento mensal. Ocorre que, considerando o seu faturamento mensal, a empresa beneficiária não teria condições de pagar os credores.

Além disso, no plano não havia uma segurança, pois a devedora, vinha gastando para se manter, sendo insuficiente o valor obtido com as vendas, frente as despesas.

Apesar do TJ/SP, ter decido seguir com plano, entendemos que deveria ter sido observado o direito do credor em aceitar ou não, o plano, uma vez que as duas credoras que votaram contra o plano, possuíam mais da metade do valor de todos os créditos.

Por fim, nota-se que o judiciário vem aprovando planos, onde muitas vezes são inexecutáveis, onde apenas a empresa devedora acaba sendo beneficiária, em detrimento a grandes prejuízos experimentados pelos credores.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais