Projeto de Lei que visa alterar a Lei de Recuperação Judicial e Falência foi aprovado ontem na Câmara e segue para o Senado

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Além da negociação prévia, com suspensão por 60 dias de todas as execuções do devedor, como já comentamos em postagens anteriores, destacamos algumas alterações:

– possibilidade de acesso a linhas de financiamento mesmo na fase de recuperação judicial, inclusive ofertando bens pessoais do devedor em garantia;
– os valores adiantados pelo financiador e as garantias ofertadas ficam de fora do rateio com os demais credores;
– ampliação do parcelamento de dívidas tributárias federais (até 120 parcelas);
– permissão de inclusão de crédito trabalhista e por acidente de trabalho, desde que mediante negociação coletiva via sindicato;
– rejeitado plano de recuperação do devedor, a assembleia poderá aprovar apresentação de plano proposto pelos credores com representação mínima de 25% dos débitos.

Vamos acompanhar a tramitação de aprovação do PL, o qual pode retardar ainda mais a recuperação de crédito.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais