Do lançamento do SISBAJUD

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Conselho Nacional de Justiça – CNJ lançou hoje novo Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário chamado SISBAJUD.

O sistema interliga o Poder Judiciário ao Banco Central e demais instituições financeiras do país, permitindo que os magistrados solicitem informações bancárias das partes envolvidas no processo e envio de ordens de bloqueio de valores por meio do CPF ou CNPJ do devedor.

A ferramenta é de suma importância para duração razoável do processo e efetividade das ordens judiciais, acelerando a localização de ativos financeiros de devedores e abolindo os ofícios em papel.

Frisa-se que o atual sistema substitui o BACENJUD, como era chamado anteriormente, desenvolvido desde 2001, e com necessidade de aprimoramento e inclusão de novas funcionalidades.

A partir desse novo sistema será possível acesso rápido e seguro dos extratos bancários, cópia de cheques, contratos, ativos mobiliários, título de renda fixa, cartão de crédito e bloqueio de valores para pagamento de dívida judicializada.

A expectativa é que o SISBAJUD ofereça melhores condições aos servidores do Poder Judiciário, obtendo efetividade às condenações, êxito no bloqueio de ativos financeiros nas contas bancárias dos devedores e, consequentemente, a satisfação dos credores.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais