Prejudicado credor fiduciário por eleger via de cobrança incorreta

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O TJ/SP decidiu pela inclusão do crédito do credor fiduciário na classe quirografária na ação de recuperação judicial promovida pelo devedor fiduciante.

A cédula de crédito bancária que deu origem a dívida instituiu dupla garantia, quais sejam, alienação fiduciária de bem imóvel e cessão fiduciária de duplicatas e direitos.

O credor propôs ação de execução fundada em título extrajudicial objetivando a satisfação do crédito constituído pela cédula de crédito bancário.

Ocorre que, o entendimento do julgador foi de que o credor ao iniciar o processo judicial abriu mão do bem imóvel dado em garantia. Isso porque a alienação fiduciária deve ser consolidada diretamente no Cartório de Imóveis em que o bem está registrado.

Frisa-se que, uma vez constituída garantia de alienação fiduciária, a dívida não será submetida ao procedimento da RJ, dada a natureza extraconcursal que lhe foi atribuída pela legislação.

Todavia, ao optar pela via judicial para satisfação do crédito, o credor renuncia tacitamente à garantia constituída anteriormente, sendo que o crédito sofrerá os efeitos da RJ do devedor.

Chama-se a atenção dos credores para correta observância do procedimento para cobrança de crédito, de modo que seja adotado o procedimento adequado e célere para satisfação da obrigação.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais