Da realização da Assembléia Geral de Credores de forma virtual

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Sob argumento de atendimento aos fins sociais, juiz de Descalvado/SP, determinou a realização de Assembleia Geral de Credores- AGC de forma virtual, seguindo exemplo do caso Odebrecht.

A decisão se deu na recuperação judicial da empresa BRDF Empreendimentos e Participações, empresa com atividades relacionadas à criação de bovinos e frangos, e cultivo de cana-de-açúcar, com assembleia agendada para amanhã (07/08/2020).

Embora em conformidade com a realidade atual, em meio às medidas de distanciamento social, vale ressaltar que não existe previsão legal de assembleia de credores em ambiente virtual.

Contudo, fundamenta-se que a interpretação jurídica deve avaliar os contextos atuais, inexistentes quando da criação da lei, bem como na Recomendação nº 63/2020, a qual prevê que verificada a urgência na realização da AGC, de forma a manter-se as atividades empresarias da devedora, bem como iniciar os pagamentos dos credores, deve ser autorizada a realização de AGC virtual.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais