STJ condena empresa por danos ambientais mesmo com a apresentação das licenças ambientais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Apesar das devidas licenças ambientais, o STJ condenou empresa ao pagamento de R$ 300 mil por danos ao meio ambiente.

O julgamento do REsp nº 1.612.887 tratou de uma ação civil pública onde o MPF alegou o corte indevido de vegetação para a instalação de um posto de combustível, requerendo indenização por dano ambiental e a proibição da concessão de licenças ambientais em condições semelhantes.

Comprovado que a instalação do posto de combustível foi devidamente licenciada pelo Ibama e pelo órgão ambiental estadual do Paraná, foi averiguado erro por parte dos órgãos ambientais, que concederam a referida licença ambiental de forma ilegal.

Independentemente da constatação de erro por parte dos órgãos públicos responsáveis, a 1ª e 2ª instância, decidiram que a empresa deveria responsabilizar-se pelo dano ambiental causado e o STJ, em grau de recurso, manteve o entendimento.

O STJ justificou que não pode ser alegada a exoneração da responsabilidade pela interrupção do nexo causal para danos subordinados à teoria do risco integral. Firmando o entendimento jurisprudencial de que “aquele que explora a atividade econômica na posição de garantidor da preservação ambiental, sendo sempre considerado responsável pelos danos vinculados à atividade.”

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais