STJ condena empresa por danos ambientais mesmo com a apresentação das licenças ambientais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Apesar das devidas licenças ambientais, o STJ condenou empresa ao pagamento de R$ 300 mil por danos ao meio ambiente.

O julgamento do REsp nº 1.612.887 tratou de uma ação civil pública onde o MPF alegou o corte indevido de vegetação para a instalação de um posto de combustível, requerendo indenização por dano ambiental e a proibição da concessão de licenças ambientais em condições semelhantes.

Comprovado que a instalação do posto de combustível foi devidamente licenciada pelo Ibama e pelo órgão ambiental estadual do Paraná, foi averiguado erro por parte dos órgãos ambientais, que concederam a referida licença ambiental de forma ilegal.

Independentemente da constatação de erro por parte dos órgãos públicos responsáveis, a 1ª e 2ª instância, decidiram que a empresa deveria responsabilizar-se pelo dano ambiental causado e o STJ, em grau de recurso, manteve o entendimento.

O STJ justificou que não pode ser alegada a exoneração da responsabilidade pela interrupção do nexo causal para danos subordinados à teoria do risco integral. Firmando o entendimento jurisprudencial de que “aquele que explora a atividade econômica na posição de garantidor da preservação ambiental, sendo sempre considerado responsável pelos danos vinculados à atividade.”

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais