Penhora de imóvel gera impedimento para formalização da CPR?

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A penhora é um instrumento judicial que tem como objetivo garantir que os bens do devedor respondam pelo pagamento da dívida do credor, podendo ser autorizada em execuções de título judicial, extrajudicial e execuções fiscais.

O ato constritivo judicial poderá recair sobre os bens móveis e imóveis do devedor, tais como a propriedade imobiliária, objeto de elevado valor que existe na residência do executado, maquinário, os animais e até a produção agrícola.

Uma vez decretada a penhora, a mesma será anotada pelo CRI competente e transferida a posse ao credor que receberá o bem como forma de pagamento da dívida ou, poderá optar em levá-lo a leilão para que o valor apurado supra integralmente seu crédito.

A partir daí surgem os riscos para o agente financiador, uma vez que o proprietário poderá perder a propriedade a qualquer momento.

Frisa-se que, a partir da análise processual é possível constatar se o risco é iminente ou remoto, de modo possibilitar a formalização da CPR.

Portanto, demanda-se cautela nas operações que envolvam imóvel objeto de penhora, procedendo no caso concreto a análise da demanda judicial como forma de evitar prejuízo futuro ao agente financiador.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais