Do processamento de recuperações judiciais sem o preenchimento dos requisitos legais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Com a paralisação das atividades econômicas, algumas empresas têm batido às portas do Judiciário invocando os efeitos da recuperação judicial no intuito de superar a situação de crise, congelamento das ações de execuções e manutenção da fonte produtora.

Alguns juízes têm aceitado os pedidos de RJ, mesmo quando os requisitos legais não estão presentes, a exemplo do TJ/RS que aceitou o processamento da recuperação de dois produtores rurais de São Gabriel, sem o cumprimento do período mínimo de 2 anos no Registro Público de Empresas Mercantis.

Neste mesmo sentido, em Primavera do Leste/MT, após o pedido do grupo IndianAgri estimado em R$ 222.197.515,49, a magistrada determinou perícia para constatação da real situação do grupo e averiguação da documentação contábil apresentada. Nesta oportunidade, foi concedida medida liminar suspendendo todo e qualquer ato de expropriação de bens em face das empresas até a apresentação dos documentos indispensáveis para o processamento da recuperação judicial.

Até que se prove que o grupo preenche os requisitos para processamento da demanda, os credores não poderão tomar nenhuma medida extrajudicial ou judicial para satisfazer seus créditos.

(processo 0259097-73.2019.8.21.7000 e 1001969-41.2020.8.11.0037).

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais