Do aval num cenário de Recuperação judicial

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Decisão do STJ fragiliza a garantia de aval num cenário de RJ!

A lei é clara ao dispor que os créditos em face de coobrigados (avalistas, fiadores) não estão sujeitos aos efeitos da recuperação judicial, podendo os credores executá-los fora da RJ, nos termos do art. 49 § 1º da Lei 11.101/2005.

Contudo o STJ, no final do ano passado, decidiu que o aval prestado a título oneroso se submete à recuperação judicial, com fundamento no art. 5º, I da mesma lei.

Será considerado oneroso nos casos de relações negociais em que a garantia é prestada em contrapartida a algum outro ato a ser praticado pelo devedor avalizado ou por terceiro.

Na prática, caso considerada a prestação do aval a título oneroso, o crédito garantido sofrerá todos os efeitos de stay period e estará adstrito ao aprovado no plano de recuperação (deságios, alongamento dos prazos de pagamento…).

A fiança bancária é exemplo de título oneroso, onde o devedor paga quantia ao banco para que este presta a fiança. Contudo, o aval é garantia em títulos de crédito, os quais detém a autonomia como característica, sendo um retrocesso a comprovação dos negócios jurídicos subjacentes.

Referida decisão traz insegurança jurídica e dá margem a argumentos oportunistas por parte dos devedores.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais