Recuperação extrajudicial como alternativa para driblar a crise.

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

No cenário atual, devedores e credores têm buscado a composição, especialmente através de acordo bilaterais, revisando contratos, visando minimizar os impactos da crise.

Outra possibilidade para aceleração da reestruturação da empresa é a recuperação extrajudicial. Nesta, credores e devedor constroem um plano de recuperação e o apresentam na justiça para homologação pelo juiz, meio muito mais célere e menos custoso se comparado à recuperação judicial.

Para tanto a empresa deve preencher às exigências legais, semelhantes ao necessário para RJ e não ter ingressado com pedido de recuperação judicial ou extrajudicial há pelo menos 2 anos.

Créditos fiscais, trabalhista e com garantia fiduciária não ingressam num plano de recuperação extrajudicial.

Matéria de hoje do Valor Econômico, cujo link disponibilizamos nos comentários, trata da recuperação extrajudicial da Confecção Restoque (dona de grifes como Le lis Blanc), cujo plano teve aprovação de mais de 60% dos credores, em sua maioria grandes bancos. O plano prevê emissão de debêntures em 2 tranches com prazo de 5 anos cada e aumento de capital em R$ 150 mi até final de 2021, dentre outras medidas.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais