Recomendação do CNJ traz orientações no julgamento de recuperações judiciais e falências durante a pandemia

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Conselho Nacional de Justiça- CNJ aprovou a Recomendação nº 63, de 31/03/2020, que trata de orientações a todos os juízes no julgamento das ações de recuperação judicial e falência, adotando medidas para mitigação dos impactos decorrentes da pandemia.

Dentre as sugestões destacamos: autorizar às recuperandas a apresentação de NOVO plano de recuperação a ser submetido à Assembleia Geral de Credores, quando comprovada a diminuição na capacidade de cumprimento das obrigações do plano já homologado, desde que as obrigações do plano anterior tenham sido cumpridas até 20 de março de 2020.

A Recomendação apresenta-se como sugestão e não tem força de lei, mas traz orientações que visam padronizar os procedimentos a serem seguidos pelos juízes. Isso porque, existem várias decisões destoantes em situações semelhantes, trazendo insegurança jurídica às empresas e credores.

A Recomendação ainda tenta agilizar os processos de recuperação com prática de atos virtuais e telemáticos, observando as medidas de isolamento social.

Não é retirado dos juízes sua autonomia de decidir conforme o caso concreto, sendo que será necessária cautela na análise de cada pedido de RJ para não destoar o instituto jurídico, evitando-se oportunismos por parte dos devedores.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais