Nova lei do Agro – “nem tudo são flores”

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Vimos que visando especialmente a criação de um ambiente de negócios com maior liberdade de contratação, mais transparente, seguro e menos oneroso, a “Nova Lei do Agro” aprimorou os instrumentos de garantia e criou medidas para atração dos investidores estrangeiros.

Porém nem tudo são flores! Entendemos que a nova legislação dá o primeiro passo, mas há muito o que fazer. Nossas principais críticas são:

· Registro da CPR com componentes desnecessários e onerosos;
· A CPR e os respectivos bens nela vinculados se sujeitam aos efeitos de recuperação judicial e falência;
· Os créditos fiscais e trabalhistas têm preferência na execução de garantias atreladas ás operações do agronegócio.

Isso pode encarecer e dificultar o acesso ao crédito, exatamente na contramão dos objetivos da nova legislação.

É cedo para dizermos o que efetivamente “irá pegar”, vez que a Lei traz muitos instrumentos novos, dependendo ainda de regulamentação, bem como da experimentação dos players e do judiciário. Nosso palpite é que a alienação fiduciária de produto, bem como o patrimônio rural em afetação, utilizados como garantia em CPR serão os carros chefes nas operações!!

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais