Cédula Imobiliária Rural: quem pode emitir?

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Anteriormente nas pílulas do agronegócio apresentamos os contornos gerais da Cédula Imobiliária Rural (CIR), título de crédito criado pela MP 897/2019, a ser convertida em lei mediante sanção do poder executivo.

A CIR pode ser emitida pelo proprietário do imóvel rural, seja ele pessoa física ou jurídica, que houver constituído o patrimônio rural em afetação, podendo trazer como objeto a sua totalidade ou fração.

Entende-se, dessa forma, que a constituição de patrimônio rural em afetação é requisito para emissão de Cédula Imobiliária Rural. Por conseguinte, as vedações previstas no texto legal referentes à constituição do patrimônio rural em afetação (art. 8º, MP 897/2019) atingem também a possibilidade de emissão da CIR. A CIR, portanto, não recairá sobre imóveis já gravados por outros ônus reais, pequenas propriedades rurais e bens de família.

Este novo título de crédito também pode ser garantido por terceiro (incluindo seguradoras e instituições financeiras), além de poder receber aval.

Em caso de inadimplemento do devedor, como se dá a transferência da propriedade em favor do credor? Não perca nossa próxima pílula.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais