Juiz autoriza registro de hipoteca sobre imóvel com indisponibilidade

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Com base no entendimento de que a indisponibilidade do bem não pode impedir sua penhora em execução diversa, ou mesmo que os credores concorram no excedente do produto da venda judicial do bem, o juiz Mauro Antonini, da 5ª Vara Cível de Piracicaba/SP determinou que o cartório registrasse a escritura pública de hipoteca em uma matrícula que possuía registros prévios de indisponibilidade.

No caso em tela, uma usina entrou em recuperação judicial e deu o imóvel para garantir o valor de dívida renegociada com um banco credor. No momento do registro da hipoteca, o cartório se negou a fazê-lo com a justificativa de que o imóvel possuía restrições em virtude de outras dívidas da empresa.

O Banco então pediu judicialmente que a hipoteca fosse averbada na matrícula, visto que o imóvel possuía valor superior ao das dívidas registradas na Recuperação Judicial.

O juiz acolheu o pedido, visto que o banco buscava apenas o registro da hipoteca, que por si só não implica na transmissão do domínio, não trazendo risco às indisponibilidades averbadas, pois a execução pela interessada deveria observar a ordem dos registros.

Além disso, o juiz alegou que o banco declarou, na escritura, expressamente estar ciente dos ônus que gravam o imóvel, assumindo assim o risco de receber o imóvel com as indisponibilidades prévias.

Antonini ainda declara que “O registro da hipoteca é conveniente em termos de segurança jurídica e inclusive é de interesse social”, entendendo que a recusa do registro da hipoteca prejudicaria o negócio jurídico pelo qual a devedora obteve crédito de grande importância para a restituição de sua atividade econômica. Ele entende que não há riscos no registro da hipoteca, que se difere da execução da mesma, o que estaria vedado em razão da
indisponibilidade do bem.

O magistrado ainda entende que é “De se observar que, em termos práticos, e considerando os referidos precedentes citados, a penhora e a hipoteca produzem efeito similar, sem implicar imediata alienação do imóvel, motivo pelo qual, se não há impedimento a penhora sobre imóvel sobre o qual pesa indisponibilidade, não deve haver restrição igualmente no caso de hipoteca”.

Processo nº 1006151-38.2021.8.26.0451

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais