STJ decide que embargos de terceiros não podem ser utilizados para pedido cumulativo de danos morais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul que não conheceu do pedido de indenização por danos morais feito nos embargos de terceiro, por entender ser contrária à finalidade da medida judicial buscada no processo.

A parte embargante defendeu no recurso especial que a cumulação do pedido de dano moral assume o caráter ordinário no processo de embargos de terceiro, sendo, portanto, viável a realização de pedidos distintos, nos termos do artigo 327, parágrafo 2º, do Código de Processo Civil.

Para o ministro Marco Aurélio Bellizze, o Código de Processo Civil é claro em limitar a hipótese de embargos de terceiro para caso específico de constrição judicial indevida, em que a parte prejudicada ingressa com o pedido de reconhecimento do domínio, da manutenção da posse ou da reintegração definitiva do bem.

Frisou-se que os embargos de terceiro têm como objetivo exonerar a constrição judicial injusta sobre determinado bem de titularidade da pessoa que não possua qualquer relação com o processo relacionado. Dessa forma, se discute apenas se a constrição deve permanecer sobre o bem ou não.

Destacou-se que: “A sua análise limita-se tão somente ao exame da legalidade do ato judicial que culminou na constrição ou ameaça de constrição sobre bens de terceiro, não possuindo, assim, natureza condenatória, razão pela qual afigura-se impossível a cumulação de pedido de condenação do réu ao pagamento de danos morais, como pretende a recorrente”.

Ao final, apontou que a cumulação do pedido de danos morais nos embargos de terceiro, além de ser inadmissível, pois dependeria de condenação da parte em dano moral, ainda, acarretaria tumulto processual tirando a celeridade do procedimento dos embargos de terceiro, indo até mesmo em contradição com a norma processual civil.

Fonte: https://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/09082021-Embargos-de-terceiros-nao-podem-ser-utilizados-para-pedido-cumulativo-de-danos-morais–decide-Terceira-Turma.aspx

STJ processo nº 0002964-32.2013.8.21.0007, REsp 1703707 RS, Terceira Turma, relator Marco Aurélio Bellizze, DJE em 28.05.2021.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais