Cessão de Crédito Permite ao Adquirente Prosseguir na Ação de Execução Independentemente da Concordância do Executado

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região decidiu que a existência de escritura pública de cessão de crédito, quando resultar de título executivo, por si só, autoriza o cessionário a promover a ação de execução, independentemente da concordância da parte contrária.

 A justificativa utilizada foi de que o Código de Processo Civil, em seu artigo 778, inciso III, permite o ingresso do cessionário na execução independentemente da anuência do Executado, inclusive, ressaltando o quanto decidido pelo Superior Tribunal de Justiça no recurso especial nº 1119558/SC sobre o mesmo tema, no sentido de que a certificação do Executado sobre a cessão de crédito é irrelevante para o processo de execução.

Destaca-se que as discussões são geradas em razão do Código Civil determinar expressamente que o devedor deverá ser notificado da cessão de crédito (art. 290), a fim de que este saiba a quem pagar, entretanto, em se tratando de processo de execução, o cessionário poderá ingressar no feito como parte exequente independentemente de notificação e concordância da parte devedora.

Importante mencionar que neste caso, houve sucessão processual, ingressando a cessionária em processo de execução que já estava em andamento, o que não se confunde com a cessão de títulos de créditos ou contratos.

Vale citar o exemplo dos contratos de compra e venda de commodity, em que permanece a exigência do novo credor (cessionário) notificar o devedor sobre a transferência do crédito, informando, inclusive, os novos dados para pagamento da obrigação.

Dessa forma, embora exista entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça, após a edição do Novo Código de Processo Civil, a questão restou superada, sendo admitido o ingresso do cessionário no processo de execução sem ter em conta a vontade do executado.

TRF 1ª Região, processo nº 0000126-48.1983.4.01.3600, 4ª Turma, Relator Cândido Artur Medeiros Ribeiro Filho.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais