Documento sem testemunhas não constitui título executivo extrajudicial

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Embora o tema seja pacífico no judiciário brasileiro, e, inclusive, ratificado pelo disposto no artigo 784 do CPC, que taxa as características necessárias para caracterização de título executivo extrajudicial, ele ainda é colocado em discussão em ações propostas.

No caso em tela, trata-se de execução de montante devido derivado de acordo realizado entre as partes em decorrência de uma venda de cotas de uma sociedade empresarial.

O exequente alegou que as partes criaram sociedade empresarial em 2013 e que, por problemas de ordem pessoal, em 2016 vendeu sua cota parte da sociedade por R$ 200 mil, a ser pago pelo executado em 27 parcelas.

Ao final, alegou que há saldo devedor de R$ 147.823,12, o qual foi objeto de acordo entre as partes, e que supostamente não teria sido pago, vez em que houve interposição da execução em questão.

Foram apresentados embargos à execução por parte do executado que, desta forma, requereu a declaração de inexistência de título executivo e a consequente extinção do processo em face da ausência das assinaturas de duas testemunhas.

Na decisão proferida, a juíza de Direito Lindalva Soares Silva, da 6ª vara Cível de Nova Iguaçu/RJ, acolheu os embargos à execução e declarou a inexigibilidade de título executivo extrajudicial.

Segundo analisado pela magistrada na sentença, os documentos apresentados pelo embargado não perfazem os atributos de certeza, liquidez e exigibilidade do título executivo, conforme exigido pelo próprio CPC: 

Saliente-se que os documentos carreados à execução pelo embargado, apontando as prestações supostamente inadimplidas, os quais, por si só, não tem o condão de perfazer os atributos de certeza, liquidez e exigibilidade do título executivo. Certo, portanto, o embargado pretende por meio de execução de título extrajudicial executar a título que não apresenta certeza, liquidez e exigibilidade, nos termos da lei.”

Desta forma, por fim, foram acolhidos os embargos para declarar a inexigibilidade de título executivo extrajudicial e julgada extinta a execução.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais