Documento sem testemunhas não constitui título executivo extrajudicial

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Embora o tema seja pacífico no judiciário brasileiro, e, inclusive, ratificado pelo disposto no artigo 784 do CPC, que taxa as características necessárias para caracterização de título executivo extrajudicial, ele ainda é colocado em discussão em ações propostas.

No caso em tela, trata-se de execução de montante devido derivado de acordo realizado entre as partes em decorrência de uma venda de cotas de uma sociedade empresarial.

O exequente alegou que as partes criaram sociedade empresarial em 2013 e que, por problemas de ordem pessoal, em 2016 vendeu sua cota parte da sociedade por R$ 200 mil, a ser pago pelo executado em 27 parcelas.

Ao final, alegou que há saldo devedor de R$ 147.823,12, o qual foi objeto de acordo entre as partes, e que supostamente não teria sido pago, vez em que houve interposição da execução em questão.

Foram apresentados embargos à execução por parte do executado que, desta forma, requereu a declaração de inexistência de título executivo e a consequente extinção do processo em face da ausência das assinaturas de duas testemunhas.

Na decisão proferida, a juíza de Direito Lindalva Soares Silva, da 6ª vara Cível de Nova Iguaçu/RJ, acolheu os embargos à execução e declarou a inexigibilidade de título executivo extrajudicial.

Segundo analisado pela magistrada na sentença, os documentos apresentados pelo embargado não perfazem os atributos de certeza, liquidez e exigibilidade do título executivo, conforme exigido pelo próprio CPC: 

Saliente-se que os documentos carreados à execução pelo embargado, apontando as prestações supostamente inadimplidas, os quais, por si só, não tem o condão de perfazer os atributos de certeza, liquidez e exigibilidade do título executivo. Certo, portanto, o embargado pretende por meio de execução de título extrajudicial executar a título que não apresenta certeza, liquidez e exigibilidade, nos termos da lei.”

Desta forma, por fim, foram acolhidos os embargos para declarar a inexigibilidade de título executivo extrajudicial e julgada extinta a execução.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais