Superior Tribunal de Justiça libera ações de execução contra empresa em recuperação judicial

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu desafetar processo que seria julgado sob o rito dos recursos repetitivos, com base nas inovações da nova Lei de Falências, para firmar tese sobre a possibilidade de praticar atos constritivos contra empresa em recuperação judicial, em sede de execução fiscal. 

Em 2018, havia sido determinada a suspensão dos processos com a mesma discussão, através do Tema 987. Com a desafetação, a Fazenda Nacional é autorizada pela Corte a dar seguimento às ações de cobrança contra empresas que devem tributos e que estão em recuperação judicial. 

O cancelamento do tema 987 foi proposto pelo relator Ministro Mauro Campbell Marques, devido à solução trazida pela Nova Lei de Falências, que estabelece que as execuções fiscais não são suspensas pelo simples fato de deferimento da RJ. 

A lei ainda delega ao juízo da RJ a substituição dos atos de constrição dos bens considerados essenciais à manutenção da atividade empresarial, mediante a cooperação jurisdicional com o juízo da execução. 

Por essa razão, o Ministro entendeu que não se mostra adequado o pronunciamento da Corte, visto que o Recurso Especial foi interposto nos autos da execução fiscal sem o pronunciamento prévio do juiz da RJ. 

“Constatado que não há tal pronunciamento, impõe-se a devolução dos autos ao juízo da execução fiscal para que adote as providências cabíveis. Isso deve ocorrer inclusive em relação aos feitos que hoje encontram-se sobrestados em razão da afetação do Tema 987”, manifestou-se o relator propondo o cancelamento do tema. 

A 1º Seção acolheu a proposta por unanimidade, ficando o STJ sem tese definida sobre o tema. “Sem que haja esse chamamento à ordem do feito na origem para que haja contraste dos atos constritivos com o plano de recuperação judicial pelo juízo competente, nós não podemos, aqui no STJ, avançar sobre nada”, afirmou o relator. 

A 1º Seção apoia-se em precedentes da 2ª Turma, que permitem atos constritivos principalmente quando da inércia da empresa em recuperação judicial em adotar as medidas necessárias para suspender a exigibilidade do crédito tributário. 

Já a 2ª Seção, reconhece a competência do juízo da RJ para tratar de atos de constrição de bens das empresas recuperandas, com o objetivo de conservação das mesmas. 

No voto, o relator ainda afirmou que compete ao juízo da Recuperação Judicial, observando a cooperação jurisdicional, verificar a viabilidade da constrição efetuada em sede de execução fiscal, podendo determinar a substituição do bem, a fim de não inviabilizar o plano recuperacional.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais