Acidente no percurso para o trabalho só gera direito à indenização se houver dolo ou culpa da empresa

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Esse foi o entendimento conferido pela 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região ao indeferir recurso de uma trabalhadora que buscava indenização por dano material e moral da empresa após ter sofrido um acidente de motocicleta envolvendo a colisão com um pássaro, esclarecendo, que o acidente in itinere, ou seja, no trajeto de ida ou volta do trabalho, somente se equipara a acidente de trabalho para fins previdenciários. 

O Juiz de primeira instância, em sua decisão, demonstrou que havia notado junto ao depoimento da reclamante a inexistência de dolo ou culpa da empregadora no acidente em questão, “não justificando responsabilização do empregador pelo infortúnio em trânsito”.

No acordão que confirmou a decisão, afastando a responsabilidade da empregadora sobre o acidente, o desembargador relator ressaltou ainda que a indenização por acidente de trabalho decorre de algum ato ilício do empregador, e não está abrangida pela teoria objetiva da responsabilidade, aquela que sequer se analisa a culpa da empresa para a efetiva responsabilização empresarial.

O recurso interposto pela reclamante somente a favoreceu no que diz respeito aos honorários periciais, uma vez que, por ser beneficiária da justiça gratuita, houve a dispensa do pagamento do referido montante, seguindo a Súmula 457 do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Por fim, julgamos a decisão justa, uma vez que, apesar de o tema acidente de trabalho e o dever do empregador em indenizar por dano moral o empregado ainda gerar diversas controvérsias, a Constituição Federal, ao abordar o tema, é expressa ao determinar que o dever do empregador indenizar surge, quando este agir ilicitamente em dolo ou em culpa, na ocorrência de determinado acidente de trabalho, conforme o Art. 7º, inciso XXVIII da CF. 

Processo nº 1000297-64.2020.5.02.0371

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais