Proprietário de imóvel rural deve registrar a reserva legal constituída antes da vigência do Código Florestal no Cartório de Registro do Imóvel

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em julgamento do Recurso Especial nº 1.681.074, a 1ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a reserva legal de propriedades rurais deve ser registrada no cartório de registro de imóveis competente, caso sua constituição tenha acontecido antes da vigência do Código Florestal corrente, Lei nº 12.651/2012. Dessa forma, imóveis e proprietários devem buscar estar consoantes com o disposto na Lei nº 4.771/1.965 (substituída pela Lei nº 12.651/2012 – Novo Código Florestal.

O recurso em questão foi interposto pelo MP-SP em face de proprietários de terra que não destinaram o percentual mínimo para reserva legal (no caso em tela, 20%), argumentando a irretroatividade do Código Florestal. No julgamento em primeira instância o juiz decidiu por condenar os réus a demarcar as áreas de reserva legal com base no Código Florestal vigente. 

Já no julgamento em segunda instância, no Tribunal de Justiça de São Paulo, foi dado provimento parcial à apelação dos proprietários, permitindo que a regularização da área de reserva legal nos termos do art. 66 da Lei nº 12.651/2012, que determina que o proprietário ou possuidor de imóvel com área de reserva legal com extensão inferior ao estipulado no art. 12º da mesma lei poderá regularizar a situação recompondo a reserva legal, permitindo a regeneração natural da vegetação e/ou compensando a área pendente em outro imóvel.

Pelo entendimento do STJ, o caso em questão deve ser interpretado com base na Lei nº 4.771/1.965, ressalvando a eventualidade de aplicação do art. 66, supramencionado, levando-se em conta a retroatividade expressa no dispositivo legal. Deve-se destacar, entretanto, que a aplicação retroativa não desobriga o proprietário em proceder com a averbação da reserva legal no cartório competente, conforme disposto no §4º, art. 18 do Código Ambiental atual.

A decisão tende a definir o tema ao delimitar a retroatividade do Código Ambiental nos termos desenhados pelo Superior Tribunal de Justiça, garantido maior clareza para a questão.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais