Proprietário de imóvel rural deve registrar a reserva legal constituída antes da vigência do Código Florestal no Cartório de Registro do Imóvel

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em julgamento do Recurso Especial nº 1.681.074, a 1ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a reserva legal de propriedades rurais deve ser registrada no cartório de registro de imóveis competente, caso sua constituição tenha acontecido antes da vigência do Código Florestal corrente, Lei nº 12.651/2012. Dessa forma, imóveis e proprietários devem buscar estar consoantes com o disposto na Lei nº 4.771/1.965 (substituída pela Lei nº 12.651/2012 – Novo Código Florestal.

O recurso em questão foi interposto pelo MP-SP em face de proprietários de terra que não destinaram o percentual mínimo para reserva legal (no caso em tela, 20%), argumentando a irretroatividade do Código Florestal. No julgamento em primeira instância o juiz decidiu por condenar os réus a demarcar as áreas de reserva legal com base no Código Florestal vigente. 

Já no julgamento em segunda instância, no Tribunal de Justiça de São Paulo, foi dado provimento parcial à apelação dos proprietários, permitindo que a regularização da área de reserva legal nos termos do art. 66 da Lei nº 12.651/2012, que determina que o proprietário ou possuidor de imóvel com área de reserva legal com extensão inferior ao estipulado no art. 12º da mesma lei poderá regularizar a situação recompondo a reserva legal, permitindo a regeneração natural da vegetação e/ou compensando a área pendente em outro imóvel.

Pelo entendimento do STJ, o caso em questão deve ser interpretado com base na Lei nº 4.771/1.965, ressalvando a eventualidade de aplicação do art. 66, supramencionado, levando-se em conta a retroatividade expressa no dispositivo legal. Deve-se destacar, entretanto, que a aplicação retroativa não desobriga o proprietário em proceder com a averbação da reserva legal no cartório competente, conforme disposto no §4º, art. 18 do Código Ambiental atual.

A decisão tende a definir o tema ao delimitar a retroatividade do Código Ambiental nos termos desenhados pelo Superior Tribunal de Justiça, garantido maior clareza para a questão.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais