CVM abrirá audiência pública para regular acesso de pequenas empresas ao mercado

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Após a sanção do marco legal das startups (LC 182) na tentativa de modernizar o ambiente de negócios brasileiro, abriu-se uma série de opções para o ingresso de pequenas empresas e negócios ao mercado. 

Cumprindo o papel de fiscalizador da atuação dos diversos integrantes do mercado e visando os novos cursos suscitados com o advento da referida lei, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deverá abrir uma audiência pública destinada a recolher sugestões para melhor regulamentação dos pontos em aberto.

Como um dos pontos principais a serem tratados, destaca-se a possibilidade para que pequenas empresas e negócios se habilitem ao mercado acionário, ainda praticamente fechado para esse tipo de empreendimento que vem sendo denominado “sociedade anônima simplificada”. 

Vale ressaltar que houve alterações na Lei 6.404/1976 (Lei das SAs) com o advento do marco legal das startups ensejando a possibilidade de que empresas de menor porte, com receita bruta inferior a R$ 500 milhões, possam buscar recursos fora do sistema bancário.

“O regime jurídico das sociedades anônimas é usualmente visto como um ambiente jurídico pesado, não trivial”, afirmou o diretor da CVM em entrevista ao Conjur. Segundo ele a autarquia tem desmontado diversas amarras para facilitar o ambiente de negócios.

O marco legal das startups trouxe ainda outra novidade: a possibilidade de os dividendos serem distribuídos livremente, por meio de decisão da assembleia geral, mas desde que não seja prejudicado o direito dos acionistas preferenciais de receber os dividendos fixos ou mínimos a que tenham prioridade. 

Desta forma, um sócio que tenha participação menor, mas que contribua com a sociedade por meio de seu próprio trabalho, poderá auferir dividendos maiores — em relação ao quinhão proporcional a que antes teria direito.

A audiência é vista como uma oportunidade importante para a complementação de regulamentação no setor e dá maior flexibilização ao mercado ante seus novos caminhos.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais