Juíza defere pedido de recuperação judicial de associação sem fins lucrativos

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A juíza Cláudia Bambi, da 1ª Vara Cível da Comarca de Farroupilha, no Rio Grande do Sul, deferiu pedido de Recuperação Judicial para associação Clube Parque das Águas, que não possui fins lucrativos, com base no entendimento de que a lei não incluiu e nem excluiu a associação civil sem fins lucrativos do rol das pessoas jurídicas autorizadas ao procedimento da RJ. 

O Ministério Público manifestou-se favorável ao deferimento, alegando que não há como afastar da Recuperação Judicial uma associação que, embora sem fins lucrativos, exerça atividade empresária de forma organizada e coordenada, mantendo empregos, gerando renda e arrecadando tributos. 

De acordo com o MP, as associações civis sem fins lucrativos, exceto pelo fato de que não podem distribuir lucros, se equiparam às sociedades empresárias no que se refere à atividade produtiva. 

Ainda segundo o Ministério Público, se a jurisdição é voluntária, “não há de se ater somente à legalidade estrita e, sim, a conveniência e finalidade do processo”. 

Em sua manifestação, o Ministério Público citou o Desembargador Luciano Saboia Rinaldi de Carvalho, que argumenta que “em matéria recuperacional, sobretudo no grave contexto da pandemia da Covid-19, devem os tribunais, no melhor interesse da sociedade, conferir o máximo de efetividade à norma, mitigando formalismos, como forma de proteger empregos, negócios e arrecadação, freando a recessão econômica em que vivemos e, em última análise, evitando o colapso social”

Ainda que raro, o entendimento tem ganhado espaço nos Tribunais de Justiça do País.

É possível consultar a decisão no processo de Recuperação Judicial nº 5000914-38.2021.8.21.0048/RS.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais