Questões preliminares e de mérito na apelação devem ser votadas em separado, sob pena de nulidade

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

No julgamento do Recurso de Apelação, em regra o tribunal deverá colher os votos em separado quando estivemos diante de questões preliminares, ou seja, questões pendentes a serem resolvidas antes do mérito do processo, bem como será garantido ao magistrado vencido na análise preliminar que possa votar sobre a matéria de mérito, conforme 938 do Código de Processo Civil. 

Inclusive, esse entendimento foi firmado pela 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao anular o julgamento de uma apelação no qual o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) realizou globalmente os votos, onde foram resolvidas as questões preliminares e de mérito como resultado final (Recurso Especial nº 1.843.523). 

Dessa forma, foram opostos embargos infringentes, a defesa alegou a nulidade do julgamento devido não ter sido respeitada a colheita de votos em separado sobre a questão preliminar. O TRF5, entretanto, rejeitou essa tese por entender que não houve prejuízo ao julgamento ou à defesa.

Ocorre que, o STJ considerou que ocorreu o chamado error in procedendo pelo TRT5, ou seja, consiste no erro que o Juiz comete no exercício de sua atividade jurisdicional, ao qual foi evidenciado pela violação ao Art. 939 do CPC, ao não tomar o voto quanto ao mérito da apelação do Juiz vencido na preliminar. 

Vale destacar que, caso a preliminar seja rejeitada ou se a apreciação do mérito for compatível com a análise do mérito, o julgamento terá sequência com a discussão e a análise do objeto principal, sobre a qual deverão se pronunciar também os Juízes vencidos em preliminar, conforme Art. 939 do Código de Processo Civil. 

Por fim, conforme relatado, uma vez cabíveis os embargos infringentes, e constatado o erro no procedimento relativo ao julgamento do Recurso de Apelação, deverá o acórdão apelatório ser anulado, com retorno dos autos ao tribunal de origem, para que se proceda o julgamento da apelação com a manifestação de todos os julgados sobre as questões preliminares e de mérito.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais