STJ Permite Inscrição do Devedor em Execução Fiscal no Cadastro Nacional de Inadimplentes

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O devedor de débito tributário poderá ter seu nome inserido no cadastro nacional de inadimplentes, independentemente de esgotadas outras medidas de localização de bens, caso a Fazenda Pública requeira no processo de Execução Fiscal.

 A medida já vem sendo aplicada nos processos de execuções de alimentos e títulos de créditos por meio do sistema SerasaJud firmado entre o Conselho Nacional de Justiça e o Serasa, cuja adesão tem sido bem aceita pelos Tribunais Estaduais, e agora, poderá ser estendida aos casos de execução fiscal.

 A situação ideal, segundo o STJ, é que os entes públicos firmem convênios mais vantajosos com os órgãos de proteção ao crédito, visando conseguir a quitação da dívida com máxima eficiência, de forma que antes mesmo de ajuizar as execuções fiscais, as Fazendas Públicas se valham do protesto da Certidão de Dívida Ativa ou negativação dos devedores. Com isso, evita-se que o judiciário seja abarrotado de ação fiscal com baixo porcentual de êxito.

 A partir disso, tramitando uma execução fiscal e pleiteado a negativação do devedor, o magistrado deverá deferi-la, com exceção se houver dúvidas sobre o direito do crédito, legitimidade do credor, prescrição ou outras questões verificadas no caso concreto.

 O tema foi julgado em sede de recurso repetitivo e servirá de orientação para todos os tribunais estaduais do país. Processos relacionados: REsp 1814310/RS, REsp 1812449/SC, REsp 1807923/SC, e REsp 1809010/RJ. Tema 1026 do STJ que pode ser consultado no endereço a seguir: https://processo.stj.jus.br/repetitivos/temas_repetitivos/pesquisa.jsp?novaConsulta=true&tipo_pesquisa=T&cod_tema_inicial=1026&cod_tema_final=1026

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais