STF implanta última etapa de projeto para automatizar recebimento de recursos

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em mais um capítulo da digitalização do judiciário, o Supremo Tribunal Federal implanta última etapa do projeto de automatização no recebimento de recursos. 

O STF está na reta final de implementação do projeto Juízo de Admissibilidade. A iniciativa, visa otimizar a fase de análise de admissibilidade dos recursos racionalizando o exame das peças processuais impetradas.

Com o novo sistema, a Presidência do STF passa a analisar de forma automatizada a admissibilidade de 100% dos recursos extraordinários ingressantes na Corte, consolidando a interação judiciário/inteligência artificial e contribuindo para o aprimoramento dos julgamentos. Não ingressarão no fluxo do projeto os processos eleitorais, definidos pela Corte como excepcionais.

De início, é esperado que a medida traga uma redução expressiva do número Recursos Extraordinários (RE) e Recursos Extraordinários com Agravo (ARE), que não serão mais distribuídos diretamente aos gabinetes dos ministros. A medida, ainda, é importante e contribui para o processo de automatização do judiciário em geral.

A conclusão e implementação desse sistema representa o ingresso e consolidação da tecnologia no judiciário brasileiro, tendo como um dos pilares a efetiva transformação do Supremo em uma Corte Constitucional 100% digital, feito que certamente cascateará exemplarmente ao restante dos tribunais.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais