STF implanta última etapa de projeto para automatizar recebimento de recursos

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em mais um capítulo da digitalização do judiciário, o Supremo Tribunal Federal implanta última etapa do projeto de automatização no recebimento de recursos. 

O STF está na reta final de implementação do projeto Juízo de Admissibilidade. A iniciativa, visa otimizar a fase de análise de admissibilidade dos recursos racionalizando o exame das peças processuais impetradas.

Com o novo sistema, a Presidência do STF passa a analisar de forma automatizada a admissibilidade de 100% dos recursos extraordinários ingressantes na Corte, consolidando a interação judiciário/inteligência artificial e contribuindo para o aprimoramento dos julgamentos. Não ingressarão no fluxo do projeto os processos eleitorais, definidos pela Corte como excepcionais.

De início, é esperado que a medida traga uma redução expressiva do número Recursos Extraordinários (RE) e Recursos Extraordinários com Agravo (ARE), que não serão mais distribuídos diretamente aos gabinetes dos ministros. A medida, ainda, é importante e contribui para o processo de automatização do judiciário em geral.

A conclusão e implementação desse sistema representa o ingresso e consolidação da tecnologia no judiciário brasileiro, tendo como um dos pilares a efetiva transformação do Supremo em uma Corte Constitucional 100% digital, feito que certamente cascateará exemplarmente ao restante dos tribunais.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais