Transporte de bens entre estabelecimentos de um mesmo contribuinte não incide ICMS

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

“Não incide ICMS no deslocamento de bens de um estabelecimento para outro do mesmo contribuinte localizados em estados distintos, visto não haver a transferência da titularidade ou a realização de ato de mercancia”.

Já é possível usufruir dessa decisão do STF, que pacifica o entendimento de que mera circulação física de bens dentro das propriedades de um mesmo contribuinte, não configurar fato gerador do ICMS.

Sendo assim, o STF reitera a ilegalidade das recorrentes autuações do fisco nessas situações, pois só há fato gerador se a circulação tiver fins mercantis, havendo troca de titularidade do bem ou quando for onerosa.

Inclusive, a PEC45, que tramita na Câmara dos Deputados, visa deixar explícito em lei que a mera circulação física sem atividade mercantil é uma das hipóteses de não-incidência do novo tributo proposto – o IBS.

Contudo, cumpre ressalvar que a decisão limita ao fato gerador circulação de mercadoria, persistindo a incidência de ICMS pelo transporte intermunicipal ou interestadual da mercadoria. Logo, caso haja contratação de terceiro para realizar o serviço de transporte de gado, não importa se a origem e o destino são propriedades de uma mesma pessoa, haverá incidência de ICMS, cabendo ao prestador do serviço recolher o tributo.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais