Seremos substituídos por máquinas?

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Que todas as profissões terão que se reinventar e aprender a conviver com as máquinas já é uma realidade há muito discutida.

No universo do direito não é diferente. A Inteligência Artificial- IA já tem sido utilizada por muitos escritórios, mas também por mais da metade dos tribunais do Brasil.

Num Judiciário abarrotado e ineficiente é fundamento o auxílio da tecnologia para agilizar a solução dos litígios. Tarefas operacionais como a transcrição de audiências ou sistematização de dados dos processos, são exemplos da utilização da IA.

Discute-se sobre a acuracidade das máquinas ou mesmo se elas vêm para substituir os profissionais do direito, sendo que as máquinas atuam num sistema supervisionado, onde realizam as atividades, sugerem a resposta e isso passa por uma checagem.

Ainda, de forma a evitar-se discriminação e injustiças, deve haver uma regulação dos algoritmos, com auditorias para tratamento dos dados.

Certo é que a IA veio pra ficar e nos auxiliar, e os que ainda resistem, ficarão pra traz.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais