Do expediente nos cartórios do MT durante a pandemia

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Fiquem atentos! A Portaria 71, assinada em 30 de junho de 2020, prorroga o prazo estabelecido pela Portaria 29/2020, que dispõe sobre a suspensão do atendimento presencial ao público pelas serventias extrajudiciais do Estado do MT, em consonância à Recomendação n. 45/2020 e Provimento nº 91/2020 do Conselho Nacional de Justiça – CNJ, o que poderá trazer atrasos nos atendimentos protocolados nos cartórios.

O prazo de suspensão do atendimento presencial ao público pelos cartórios do MT, foi prorrogado para o dia 31 de dezembro de 2020. Nesse período todo atendimento ao público prestado pelos cartórios deverá ser substituído por atendimento telefônico ou por outra via remota, podendo ser até mesmo via aplicativo de mensagens instantâneas e chamadas de voz ou ainda qualquer outro meio eletrônico disponível.

No entanto, haverá exceções para os casos com pedidos urgentes formulados aos cartórios como, por exemplo, certidões de nascimento e óbito. Para esses casos, deve-se respeitar rigorosamente os cuidados estabelecidos pelas autoridades de saúde pública.

A prorrogação do prazo permanece com o mesmo objetivo anterior, estabelecido pela Portaria 29, a prevenção ao contágio da doença Covid.

A medida é importante e sua adoção é necessária nesse período de pandemia.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais