Home Office a “bola da vez” para sobrevivência à pandemia

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Vocês sabem que o teletrabalho, trabalho remoto e o trabalho a distância não são sinônimos?

Ao longo da semana, sucintamente, falaremos sobre cada um deles.

O teletrabalho tem previsão expressa na CLT (arts. 75-A ao 75-E), e se conceitua como aquele trabalho em que o empregado é contratado desde o início para a prestação de serviços fora das dependências físicas da empresa, com cláusula contratual expressa neste sentido, não se confundindo com o trabalho externo, sendo que o comparecimento esporádico não descaracteriza o regime. Aqui, não há que se falar em controle de jornada e, portanto, em pagamento de horas extras.

No mais, todas as peculiaridades referentes ao fornecimento de infraestrutura necessária para o desenvolvimento do teletrabalho, deverão constar em contrato escrito, sendo que tais custos não terão caráter remuneratório.

Caso as partes queiram alterar o regime de trabalho ao longo do contrato, esta alteração deverá ser feita também por escrito, e respeitando um prazo de 15 (quinze) dias de transição.

Por fim, a lei também atribuiu ao empregador a responsabilidade pela instrução dos empregados quanto as precauções e demais responsabilidades a serem seguidas de modo a evitar a ocorrência de acidentes de trabalho e o surgimento de doenças ocupacionais.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais