Da competência para julgamento dos creditos extraconcursais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

É sabido que créditos trabalhistas, fiscais, garantidos por AF e outros, em regra, não sofrem efeitos do plano de recuperação judicial, sendo considerados extraconcursais.

Contudo, muito se discute a respeito da competência ao julgamento da execução desses créditos, vez que correndo em separado podem inviabilizar o plano e a almejada recuperação da empresa.

Sob esse fundamento da primazia da viabilidade empresarial foi a decisão do Conflito de Competência 61.722, cuja íntegra disponibilizamos nos comentários, onde o Ministro Ari Pargendler designou o juízo da Vara Empresarial e responsável pelo processamento e julgamento da recuperação judicial da Varig como competente para decidir sobre os créditos trabalhistas pleiteados pelos ex-funcionários representados pelo sindicato.

Julgado semelhante se refere às execuções fiscais, as quais embora não sejam suspensas com o deferimento da RJ é o juízo da recuperação que deve conduzir atos de expropriação de bens da devedora.

Na prática, ainda que preferencial o pagamento dos créditos extraconcursais, deverão ser apreciados pelo juízo da recuperação judicial, de forma a manter-se a viabilidade do plano de recuperação.

Jurisprudência consolidada e temerária aos credores com créditos extraconcursais em geral.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais